clicRBS
Nova busca - outros
Autor: Rádio Gaúcha
19/04/2013 às 07:44

O sucateamento da UERGS: Déficit de professores atrasa formatura de alunos em até um ano. 19/04/2013

Enviar:Enviar:
Compartilhar:
twitter
Avaliar:starstarstarstarstar
views0comments0
Embed:

O sucateamento da UERGS. Universidade criada há quase 12 anos, segue sem conseguir deslanchar. O repórter Eduardo Matos começa uma série de reportagens apontando os principais problemas, sugestões de solução e ainda o exemplo de um curso, que mesmo com toda a precariedade da instituição, conseguiu ser o melhor do Brasil. Na primeira reportagem da série você confere: Déficit de professores atrasa formatura de alunos em até um ano. Dificuldade orçamentária deixa equipamentos encaixotados há três anos.

200 disciplinas sem professor. Formaturas com até um ano de atraso. Unidade com apenas seis alunos e um professor. Estruturas inadequadas para as aulas. Equipamentos novos encaixotados desde 2010.

Esses são alguns dos problemas da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Criada em 2001 no Governo de Olívio Dutra para atender às necessidades regionais, a UERGS não consegue deslanchar. O orçamento previsto para este ano é de R$ 41 milhões, insuficiente para dar conta da demanda. São 200 professores atualmente quando o ideal seria 389. Desde a criação, não possui sede própria. As 23 unidades funcionam em prédios emprestados ou alugados. A reitoria é um exemplo, funciona num edifício alugado no Centro de Porto Alegre.

Entre as unidades com as piores estruturas, estão as de Caxias do Sul e São Borja. Na cidade da Serra gaúcha, por exemplo, há três anos não há vestibular para o curso oferecido, que é o de Tecnologia em Agroindústria. São apenas seis alunos e um professor. Como funciona em prédio cedido, não pode receber investimentos para construção de laboratórios, como destaca o reitor.

A unidade de Porto Alegre também apresenta muitos problemas. A reclamação é geral da unidade instalada num prédio antigo, ao lado do Hospital Psiquiátrico São Pedro. 

São dezenas, talvez centenas de equipamentos encaixotados desde 2010 em algumas unidades da UERGS, porque não há onde colocá-los em operação em razão da necessidade de reforma das salas onde eles serão instalados. O reitor culpa a lentidão da estrutura estatal.

A médio ou longo prazos esse problema das sedes próprias poderá ser solucionado. A Uergs recebeu doação de áreas para construção de unidades em Cruz Alta, Osório, Caxias do Sul, Livramento, Alegrete, Guaíba e Porto Alegre. Na próxima reportagem, confira as explicações dos reitores para o sucateamento da UERGS. 

Vídeos Relacionados

Anterior
Próximo
Comentários

Deixe um comentário

(O comentário não pode exceder 500 caracteres)

Buscar:  

Envie seu arquivo